HELMINTHS PARASITES OF THE FROG PROCERATOPHRYS ARIDUS CRUZ, NUNES, AND
JUNCÁ, 2012 (ANURA: ODONTOPHRYNIDAE) IN A SEMIARID REGION, BRAZIL

 

HELMINTOS PARÁSITOS DE LA RANA PROCERATOPHRYS ARIDUS CRUZ, NUNES Y JUNCÁ,
2012 (ANURA: ODONTOPHRYNIDAE) EN UNA REGIÓN SEMIÁRIDA, BRASIL

 

HELMINTOS PARASITAS DE PROCERATOPHRYS ARIDUS CRUZ, NUNES, AND JUNCÁ, 2012
(ANURA: ODONTOPHRYNIDAE) EM UMA REGIÃO DO SEMIÁRIDO, BRASIL

Autores: Charles de Sousa Silva; Edna Paulino de Alcantara; Reinaldo José da Silva; Robson Waldemar Ávila & Drausio Honorio Morais

Localización: Neotropical Helminthology, 2019, 13(2), jul-dic:169-179.

ABSTRACT

This work aims to provide information about the diversity of parasites associated with Proceratophrys aridus Cruz, Nunes & Juncá, 2012 and to describe and compare the helminth fauna of this host to the other inventoried species of the genus. The specimens were manually collected between 2012 and 2016 in ten localities of Northeast Brazil. A total of 37 P. aridus were necropsied and analyzed for endoparasites, of which 22 were parasitized with at least one helminth taxon. To verify the similarity between the parasitic communities, a cluster analysis was performed using the Sorensen index. For this analysis, a matrix with presence and absence data for the helminth species related to the Odontophrynidae taxon was built. A total of 867 helminths were recovered, including nematodes, digenetics, and acanthocephalans, presenting a richness of eight species: Aplectana membranosa (Schneider, 1866), Falcaustra mascula (Rud. 1819), Rhabdias breviensis Nascimento, Gonçalves, Melo, Giese, Furtado, & Santos, 2013, Oswaldocruzia sp., Cosmocercidae larvae, unidentified trematodes, and cystacanths. The most abundant species with the highest prevalence and mean intensity of infection was A. membranosa. This study provides three new records of helminths parasitizing P. aridus, in addition to recording trematode and acanthocephalans infections for this host in northeastern Brazil. Proceratophrys aridus is the species of the Odontophrynidae family with the highest helminth richness ever recorded.

Keywords: Amphibian – Endoparasite – Host – Northeast – Neotropical realm – Semiarid

RESUMO

Inventários parasitológicos de anfíbios da região semiárida contribuem para conhecer a diversidade de parasitas associados a espécies da região Nordeste. Este trabalho tem como objetivo fornecer informações sobre a diversidade de parasitas associados a Proceratophrys aridus Cruz, Nunes & Juncá, 2012 e descrever e comparar a helmintofauna deste hospedeiro com as demais espécies inventariadas do gênero. Os espécimes foram coletados manualmente entre 2012 e 2016 em dez localidades do Nordeste do Brasil. Um total de 37 P. aridus foram necropsiados e analisados para endoparasitas, dos quais 22 foram parasitados com pelo menos um táxon helminto. Para verificar a similaridade entre as comunidades, foi realizada uma análise de agrupamento utilizando o índice de Sorensen. Para esta análise, foi construída uma matriz com dados de presença e ausência para as espécies de helmintos relacionados ao táxon Odontophrynidae. Um total de 867 helmintos foram recuperados, incluindo nematóides, digenéticos e acantocéfalos, apresentando uma riqueza de oito espécies: Aplectana membranosa (Schneider, 1866), Falcaustra mascula (Rud. 1819), Rhabdias breviensis Nascimento, Gonçalves, Melo, Giese, Furtado, & Santos, 2013, Oswaldocruzia sp., Larvas de Cosmocercidae, trematódeos não identificados e cistacantos. As espécies mais abundantes com maior prevalência e intensidade média de infecção foram A. membranosa. Este estudo fornece três novos registros de helmintos parasitando P. aridus, além de registrar infecções por trematódeos e acantocéfalos neste hospedeiro no nordeste do Brasil. Proceratophrys aridus é a espécie da família Odontophrynidae com maior riqueza em helmintos já registrada.

Palavras chave: Anfíbios – endoparasitas – hospedeiros – Nordeste – Reino Neotropical –Semiárido

Revista Neotropical Helminthology  se distribuye bajo una Licencia Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivar 4.0 Internacional.​

© 2017  Revista Neotropical Helminthology